Bordallo Pinheiro

Há uns dias escrevíamos sobre a temível quebradora de objetos, a Margarida, e a sua luta com a couve da Bordallo Pinheiro, que a Inês tanto gostava e que acabou em cacos:

“No momento em que a temível Margarida tornou a couve em cacos, a Inês olhou para mim e disse a sorrir: “Ai a minha rica couve!” …. e neste sorriso estava todo um mundo de tolerância e amor. Algo que nunca teríamos descoberto de outro modo… “

O que não poderíamos imaginar era que a história fosse levada à administração da Bordallo Pinheiro via Gustavo Amorim;

O que não poderíamos imaginar era que a Bordallo Pinheiro se importasse tanto com a história;

O que não poderíamos imaginar era que a Bordallo Pinheiro enviasse uma prenda para a família:

Chegou uma caixa, uma enorme caixa… (novamente pela mão do Gustavo).

Para a Inês, basta que uma caixa tenha o logotipo da Bordallo Pinheiro para que inicie um processo automático de hiperventilaçao e o coração deixe de bater a um ritmo normal.

Dentro dessa grande caixa, havia várias outras caixas embrulhadas e organizadas de uma forma estratégica para serem abertas em sequência:

Era o conjunto completo (das couves) para a família – 4 pratos, 4 tigelas, 4 canecas e a “famosa couve” que a Margarida tinha traduzido em cacos.

Mas… a verdadeira surpresa estava no fundo do caixote: uma última caixa mais rasa e larga e que adivinhávamos ser enquadrada no conjunto das couves… mas não era… abrimos a caixa e imediatamente ficámos emocionados  com aquela força e carga simbólica. Ficamos sem fala e demos um abraço familiar porque a história da nossa família e a forma positiva como lidamos com a adversidade tem conseguido extrair dos outros o que têm de melhor. E o mundo seria muito mais feliz.

O que estava no fundo do caixote do nos fez em lágrimas era uma travessa… a travessa das “Margaridas” e a própria Margarida não conseguiu esconder a sua felicidade.

Obrigado Bordallo Pinheiro!
Obrigado Gustavo!